Lento na regulação, país fica para trás e não acompanha inovações tecnológicas mundiais

Roberto Rockmann*

Em 2017, a Consulta Pública 33 lançou a necessidade de modernização do setor elétrico brasileiro diante das inovações que ganhavam espaço no mundo. Naquele ano, foram vendidos no mundo 1,15 milhão de veículos elétricos, aproximadamente 0,7% do total. Em 2021, esses modelos são responsáveis por 5% das vendas globais.

Segundo estudo da Bloomberg New Energy Finance, carros e utilitários elétricos poderão representar 100% das vendas de veículos novos na UE (União Europeia) até 2035. No Brasil, a transformação é lenta. Hoje são cerca de 60 mil carros elétricos rodando nas ruas brasileiras. Não há ainda modelo de preços, com os governos estaduais ainda tateando a novidade.

Armazenamento de energia tem sido cada vez mais usado, seja para buscar horários em que a eletricidade é mais barata, seja para assegurar melhor qualidade. Em 2017, a capacidade no mundo estava ao redor de 1 GW. Em 2021, superou 12 GW e poderá chegar a 148 GW em 2025 e quase 600 GW em 2030, segundo dados da Agência Internacional de Energia. No Brasil, o maior projeto de “pick shaving” está sendo energizado pela Vale no Sudeste neste momento. Mas a regulação sobre os serviços ancilares ainda inexiste.

O mercado de medidores inteligentes também sofreu mudanças nesses cinco anos no mundo. A Itália passou a trabalhar na segunda geração de medidores, a China avançou na instalação de milhões de aparelhos, enquanto a novidade ainda engatinha no Brasil, cujo parque de 80 milhões de aparelhos tem baixa tecnologia embarcada.

A novidade poderia trazer ganhos de eficiência, criação de novos produtos e poderia ser usada para estimular a indústria nacional. Política industrial virou palavrão para muitos no Brasil, mas há exemplos bem-sucedidos como o do setor eólico, cuja longa cadeia instalada no país exporta também parte de sua produção.

Cinco anos, duas contas Covid-19 e milhares de horas de discussões depois, a agenda legislativa de modernização do setor elétrico continua incerta em 2022, com indicações de que apenas pautas eleitoreiras poderão avançar no ano eleitoral, ou seja, os Projetos de Lei 1.917 e 414 poderiam ficar para 2023.

Em um mundo em constante transformação, um desafio regulatório é fazer a regulação acompanhar as inovações. No Brasil, o desafio é ainda maior e o atraso poderá custar ainda mais caro.

*Roberto Rockmann é escritor e jornalista. Coautor do livro “Curto-Circuito, quando o Brasil quase ficou às escuras” e produtor do podcast quinzenal “Giro Energia” sobre o setor elétrico. Organizou em 2018 o livro de 20 anos do mercado livre de energia elétrica, editado pela CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica), além de vários outros livros e trabalhos premiados.

As opiniões dos autores não refletem necessariamente o pensamento da Agência iNFRA, sendo de total responsabilidade do autor as informações, juízos de valor e conceitos descritos no texto.

Tags:

Inscreva-se no Boletim Semanal Gratuito

e receba as informações mais importantes sobre infraestrutura no Brasil

Cancele a qualquer momento!

Solicite sua demonstração do produto Publicidade e Branded Content

Solicite sua demonstração do produto Realização e Cobertura de Eventos

Solicite sua demonstração do produto Boletins e Alertas

Solicite sua demonstração do produto Fornecimento de Conteúdo